SEM POLÊMICAS

Em ano de eleições, Globo altera roteiro de ‘Cara e Coragem’ por causa do PT

Bruno Pinto

Em um ano marcado pela disputa presidencial entre dois candidatos com ideologias completamente distintas e que carregam uma verdadeira multidão de apoiadores por todo todos os cantos do Brasil, a Rede Globo precisou agir rapidamente e tomou uma difícil decisão para não se envolver uma em polêmica daquelas. Sendo assim, a emissora dos Marinho acabou sendo “obrigada” a fazer uma alteração importante no roteiro da novela “Cara e Coragem”.

Temendo possíveis retaliações, a direção da Globo informou à Claudia Souto, autora do folhetim das sete, que uma de suas ideias teria que ser alterada. Isso porque, o grupo de mulheres justiceiras, formado por personagens como Clarice, Anita e Andrea Pratini, usariam vestimentas vermelhas como uma espécie de uniforme. Entretanto, um departamento específico da emissora dos Marinho identificou que a cor escolhida pela escritora da trama não era nada adequado em meio o momento vivido pelo país.

Assim que se depararam com este impasse, imediatamente os profissionais que integram o Acompanhamento de Conteúdo de teledramaturgia entraram em contato com a alta cúpula do canal carioca. No comunicado, o departamento responsável por fazer análises minuciosas nos capítulos das novelas descreveu que o vermelho que seria utilizado na roupa do clã feminino poderia ser facilmente associado ao Partido dos Trabalhadores (PT), o que não seria nada positivo para a emissora.

Diante da observação, a direção da Rede Globo não pensou duas vezes antes de acabar com a ideia inicial da autora Claudia Souto, que já havia escrito todo o conteúdo produzido até o presente momento fazendo referência aos ternos vermelhos das personagens. Vale destacar que o mudança foi definida de forma emergencial e, por isso, não houve tempo para fazer as alterações na teoria, ocorrendo apenas na prática, ou seja, somente no estúdio, durante as gravações da novela.