ALÉM DA COVID-19

Jornalistas da CNN são contaminados por parasitas após beberem água

Bruno Pinto

Assim como as demais emissoras de TV, a CNN Brasil passou por um dos momentos mais complicados de sua história durante a pandemia de Covid-19. Com diversas restrições impostas por meio de protocolos de segurança, o canal de notícias precisou afastar diversos funcionários, além de colocar uma grande parte deles trabalhando de forma remota. Entretanto, quando tudo parecia estar voltando a normalidade, outro problema acabou surgindo e suas consequências têm deixado os executivos da CNN de cabelos em pé.

Isso porque, diversos colaboradores começaram a passar mal simultaneamente, todos apresentado os mesmos sintomas, dentre eles a diarreia. Com o problema tomando conta das redações, afetando diariamente diversos colaboradores, a alta cúpula da emissora especulou uma das possíveis causas, agiu rapidamente na tentativa de descobrir o que estava acontecendo e logo solicitou testes no sistema de água que abastece a sede da empresa, localizada no centro de São Paulo.

Assim que o resultado saiu, a direção do canal de notícias teve ciência de que o problema era grande e que algo deveria ser feito de forma emergencial para evitar novos transtornos. Ao saber que a água estava contaminada pelo parasita giardíase, os executivos não pensaram duas vezes antes de solicitar que inúmeros funcionários passem a trabalhar em home office, assim como nos tempos de pandemia, até que uma tratamento seja feito no sistema de água e o parasita seja completamente eliminado.

Diversos funcionários, incluindo jornalistas conhecidos nacionalmente, acabaram sendo “premiados” com a famosa dor de barriga. William Waack e Tainá Falcão acabaram sendo infectados e precisaram ser substituídos na programação. Um fato curioso ocorreu no último final de semana, quando uma âncora precisou ser substituída às pressas em decorrência de fortes dores abdominais exatamente no momento em que se preparava para entrar no ar.