Fazendo política

Viúva de petista assassinado reclama de postura de Bolsonaro em tragédia

Vitor Caique

A viúva de Marcelo Arruda, petista morto no último domingo por um bolsonarista em Foz do Iguaçu, abriu o jogo sobre a postura do presidente Jair Bolsonaro (PL), em relação a morte do marido. Segundo Pâmela Suellen Silva, que é policial civil, o político está fazendo uma tentativa de uso político da tragédia. O relato sobre o ocorrido foi para o jornal “O Globo”, na coluna da jornalista Bela Megale.

Pâmela comentou sobre o assunto horas depois do presidente ter ligado para os irmãos do marido, querendo que a família da vítima fosse até Brasília “limpar sua barra”, por conta da “imprensa” estar jogando a culpa do crime em seu colo. “Acredito que Bolsonaro está preocupado com a repercussão política, porque, tanto no vídeo que fez no cercadinho, como no que conversa com os irmãos do Marcelo, Bolsonaro diz que estão tentando colocar a culpa nele”, comentou a policial.

A viúva ainda afirmou em entrevista que que soube da ligação do presidente aos irmãos de seu marido somente quando recebeu um vídeo da conversa, que não foi convidada e nem recebeu nenhum contato de Bolsonaro ou do governo lhe prestando solidariedade. Além de Pâmela, Leonardo Miranda de Arruda, filho de Marcelo, também falou sobre o episódio, que vem sendo explorado por Bolsonaro nos últimos dias.

“Se falou muito em polarização política, mas tem muitas pessoas ligadas ao presidente que estão fazendo campanha através disso. No fim das contas, a gente só quer paz. A gente só quer que esse ódio todo acabe, só quer justiça pelo meu pai”, comentou, em entrevista à Globo News.