ABRIU O CORAÇÃO

Juju Salimeni faz desabafo ao relembrar tempos de ‘Pânico’: ‘Explorada’

Bruno Pinto

Juju Salimeni foi a convidada especial do podcast “PodDelas”. Além de falar sobre sua vida pessoal, a influenciadora digital também falou de carreira e, consequentemente, sobre um dos acontecimentos mais marcantes, que a tornou conhecida em todo o país: O programa “Pânico”. Ao relembrar de tudo o que se submeteu durante o período em que fazia parte do elenco da atração humorística, a loira utilizou palavras como loucura e explorada para definir o que passou.

“Era uma loucura, tanto de coisa nojenta que a gente comia, quanto lugar que a gente se jogava e aventuras ‘de medo’… hoje eu não faria mais nada. Hoje eu sou cagona, tenho medo de tudo. Acho que peguei um trauma que não consigo fazer mais nada. Se você me botar em um escorregador eu tenho medo. Tudo que fiz, não consigo repetir a maioria. Não tenho coragem de fazer mais nada”, iniciou a ex-mulher do empresário e fisiculturista Felipe Franco.

Segundo Juju, assim como ela, alguns integrantes do programa recebiam um valor simbólico para participar das gravações dos quadros: “Eu sempre ganhei mais na internet do que na TV, principalmente no Pânico, que era um salário simbólico. A gente ganhava duzentos reais por gravação, era pouquíssimo. Era uma fase em que a gente era super explorada. Nada que aconteceu naquela fase seria permitido hoje em dia, tanto sobre as conotações das piadas quanto esse questão de trabalho. A gente não tinha contrato, salário, nada. Era largado. Era uma vitrine”.

Por fim, Salimeni a principal fonte de renda vinha de trabalhos que fazia fora da emissora e que felizmente teve um momento bacana: “A gente pegou uma fase muito boa de eventos. A gente era muito contratada para fazer presença. A gente trabalhava muito com isso, então realmente ganhava bem. Nessa época eu tinha um outro relacionamento em que fiquei muitos anos. Por falta de informação, ele também não entendia, então ele achava que eu era chata”.